O Anticristo

Friedrich Nietzsche

ISBN - 978-85-88208-06-3

96 págs. — R$ 16,50

A idéia anticrística é tão velha quanto o próprio cristianismo. 
Ao longo da história, muitos foram os governantes associados pejorativamente à figura do Anticristo. Quando a Igreja ascendeu ao poder no mundo ocidental, passou a usar o nome como arma político-religiosa, classificando com ele qualquer poderoso da Terra que não aceitasse a sua tutela e fosse suficientemente lendário, exótico, original, poderoso ou perigoso para se converter nessa figura fabulosa. No século XII o mito inspirou a arte, a poesia dramática e lírica e imiscuiu-se inevitavelmente nas controvérsias e dissenções políticas da época. No final da Idade Média, o possível advento da profética imagem do negativo de Cristo, suscitava grande pavor nos espíritos mais simples. Com a evolução das mentalidades e da própria Igreja, o Anticristo foi sendo progressivamente afastado das mentes do vulgo, e banido das especulações dos teólogos e dos estudiosos laicos.
Nietzsche não deixou de recuperar a velha profecia cristã em seu proveito, quando, ao intitular-se “Nietzsche - O Anticristo” na assinatura da Lei Contra o Cristianismo que completa esta obra, procurou uma identificação total com o anunciado destruidor/perseguidor do cristianismo e dos cristãos.